FOLHAS DO SAGRADO
Pintura – Inédito
(2020-…)

Uma série que denominei FOLHAS DO SAGRADO – toda folha é sagrada – está em incipiente processo de realização, no país do fogo provocado e do desrespeito com as florestas, águas e bichos.

Tenho comigo folhas de todos os lugares pelos quais passei, e, justo nessa hora de lamento pelas florestas, surge, devagar e com felicidade, uma, duas obras. Elas nunca vêm do nada, sempre do que está latente, aguardando brotar, reverdecer. Setembro 2020

Buscando um tom de natureza e Brasil, encontro esse texto de Tom Jobim, ou Antônio Carlos Jobim. Desfrute de um trecho dele:

O Brasil é pura floresta.
Até o nome Brasil vem da floresta.

Outrora pensou-se em dar ao Brasil o nome de Ipê. Outra árvore ameaçada e linda! O ipê-roxo, o rosa e o amarelo! Amarelo Deus! Pau-d’arco, madeira de lei.

No dia da árvore fomos plantar uma no Parque Lage. Enquanto isso acontecia, queimavam-se milhares de árvores no Brasil. Não só no dia da árvore, como todo dia.

Mas que quer o Homem?

Queimar a floresta, matar os índios e os bichos, engaiolar os pássaros e escravizar a mulher.

Sempre falando em progresso e criando o deserto. Inventando a miséria na terra da opulência.

Brazil. Brasil, cadê o pau Brasil?

Zona da Mata! Cadê a mata?

Itabira do Mato Dentro, cadê o mato?

Boca do Mato? Cadê o mato?

Lá embaixo, vistas do avião, as voçorocas descomunais, as entranhas da terra à mostra, a terra cremada, erodida, levada pelas águas, as serras despencando, as pedras morro abaixo, o fogo morro acima indo buscar a última árvore, nas grimpas.

As cinzas negras flutuando no ar, na maria-preta, o estouro dos taquaruçus, a língua de fogo atravessando o rio e o fogo pulando para a outra margem.

Ar poluído, águas poluídas, (o outro lado).

Destruição do paraíso. Fim da vida vegetal e animal.